Com muita nostalgia, Taylor Swift lança a regravação do álbum “Fearless”

A cantora vencedora de onze Grammys deu o pontapé inicial do projeto de regravações dos primeiros trabalhos. O objetivo é recuperar o domínio e os direitos de uso das canções de seus seis primeiros discos. O álbum “Fearless (Taylor’s Version)” - em tradução livre, “Fearless (versão de Taylor)” - marca uma nova versão de seu segundo álbum de estúdio, e conta com as 19 faixas originais do disco de 2008, regravadas e com nova produção. Outra novidade é a capa do álbum, uma releitura da imagem inicial, mas com a estética atual dos trabalhos de Swift. 

Fearless é um dos discos mais elogiados pela crítica na carreira de Taylor. Com o gênero country como essência, ele traz sucessos como Love Story, Fifteen e You Belong With Me, e vendeu mais de 12 milhões de cópias, apresentando a artista para uma audiência mais ampla. O disco também deu à loirinha o seu primeiro Grammy de Álbum do Ano (na época da premiação, com 20 anos, tornou-se a artista mais jovem a vencer a categoria).

O álbum leva os fãs a reviverem toda a magia de experiências adolescentes, como as paixões platônicas e a idealização do amor romântico. O talento de Swift como compositora ganha um brilho especial neste disco por meio de músicas com narrativas envolventes, quase como crônicas do cotidiano, divertidas e gostosas de ouvir. 

As regravações, em sua maioria quase idênticas em instrumentação, celebram a essência desse período da vida da artista, hoje com 31 anos. Como presente, Taylor incluiu seis faixas inéditas, escritas na época da primeira versão do disco, como “Mr. Perfectly Fine” e “Don’t You”. Essa parte inédita é carinhosamente apelidada de “From The Vault”, pela cantora. 

“Love Story” foi a primeira canção relançada. Taylor recomeçou a Era com a frase “we were both young when I first saw you”, primeiro verso da canção. Ou seja, “Nós éramos jovens / Quando eu te vi pela primeira vez”, uma mensagem direta aos fãs. A cantora confirmou essa intenção, com um lyric video com fotos suas e do público na primeira Era Fearless. 

Com nostalgia, os fãs apreciam novos significados em algumas músicas, como na faixa “White Horse”, em que antes Taylor cantava “That i’m not a princess, this ain't a fairytale", agora se coloca em outro lugar como sujeito “Cause i´m not your princess, this ain't your fairytale”. 

Em entrevista ao podcast “Superstar Power Hour”, a artista revelou quais músicas mais gostou de gravar: “Eu acho que uma das minhas músicas favoritas de regravar no ‘Fearless’, eu acho… ‘The Way I Loved You’ e ‘Hey Stephen’. Essas sempre foram umas das minhas músicas preferidas de cantar ao vivo e tudo mais”.

Além disso, também explicou sobre as diferenças em sua voz em cada uma das versões, já que hoje em dia tem uma voz amadurecida que consegue chegar em notas mais altas com mais facilidade do que antes. “Eu acho que ter uma voz um pouco mais madura realmente ajudou músicas como ‘The Way I Loved You’ e ‘Tell Me Why’ e músicas que talvez eu sofresse para estar perfeita ao vivo quando eu tinha 18 anos… Elas são muito mais fáceis de cantar agora”.

Os números de Taylor

A primeira regravação já é um sucesso e quebrou recordes de streamings com 171,927 milhões de reproduções no Spotify, tornando-se o primeiro álbum country da história a alcançar o topo de alguns charts.

O álbum tornou-se também o primeiro lugar na lista dos mais vendidos no Reino Unido em sua primeira semana de estreia, o que significa seu terceiro álbum #1 na parada da Official Charts dentro do período de um ano. Antes foram o “Folklore” e o “Evermore”, batendo o recorde que era da lendária banda The Beatles.

A longa batalha pelas próprias canções

São quase 15 anos de sucesso, 51 prêmios, 50 milhões de álbuns vendidos, uma legião de fãs dedicados e uma batalha pelo direito do próprio trabalho. Taylor, que foi eleita uma das maiores compositoras da atualidade pela Apple Music Awards, viu o seu trabalho se perder completamente após não ter tido o direito de comprar o seu próprio catálogo, dando início a uma disputa e batalha pública sobre quem seria o verdadeiro dono das suas músicas.

A decisão da artista de regravar seus seis primeiros álbuns se deu após o empresário Scott Braun, com quem Taylor teve graves desentendimentos, comprar a empresa Big Machine Label Group, detentora dos direitos das primeiras gravações de Taylor.

A Big Machine foi sua primeira gravadora, a qual a loirinha assinou contrato em 2006, tendo lançado todos os seus álbuns até hoje. Swift anunciou um novo contrato com a Universal Music Group em novembro de 2020, mas seus antigos trabalhos continuam sob sua antiga gravadora, e são possivelmente o aspecto mais valioso da empresa. 

O catálogo é estimado em 300 milhões de dólares. Com isso, a cantora perderia parte do controle de sua obra, que, em alguns aspectos, poderia ser negociada sem a sua permissão. Swift continuaria recebendo pelo uso das canções, por ser compositora e intérprete, mas não teria poder nem voz nas decisões envolvendo todo o material. Ao regravar essas canções, que ela tem apresentado como Taylor's Version (versão de Taylor), a artista ressignifica, contorna e dá um novo nuance para suas histórias para a problemática situação. 

Ouça Fearless (Taylor's Version):

Sobre o autor

Fátima Robustelli

Jornalista, escritora, amante da yoga. Pernambucana de nascença e paulista de coração, é apaixonada por histórias não-ficcionais e desde pequena escreve crônicas sobre situações do cotidiano. Acredita que cada um carrega uma boa história a ser contada e que ouvi-las e escrevê-las faz parte da sua missão.

Logo do Twitter
Logo do Instagram

Comentários

Você também pode gostar

Luca Libre e o grito social da música com “Help I Slave”

Em Música por Luisa Pereira

O centenário de Hercule Poirot e a estreia policial de Agatha Christie

Em Literatura por Luisa Pereira

Agatha Christie: 3 livros para conhecer a escrita da autora

Em Colunas por Luisa Pereira

Ruel, a jovem estrela em ascensão

Em Música por Luisa Pereira

Ana Müller revisita o passado e contempla fãs com a regravação de músicas 

Em Entrevistas por Luisa Pereira

Submerso engata série de lançamentos e planeja futuro

Em Entrevistas por Luisa Pereira

Com influências do rock oitentista, Miley Cyrus apresenta nova faceta em “Plastic Hearts”

Em Música por Luisa Pereira

A experiência e sensibilidade de Gaê em “Só - A Dois”

Em Entrevistas por Luisa Pereira

Dupla Anavitória traz “Cor” com apostas variadas, mas sem sair do conforto

Em Música por Luisa Pereira

Valley, o potencial grupo pop alternativo traz instrumental eletrizante e letras melancólicas 

Em Música por Luisa Pereira

Julie Neff se desprende da raiva e frustração em Over It

Em Música por Luisa Pereira

Rafael Martins estreia projeto solo com Barco no Seu Mar

Em Entrevistas por Luisa Pereira

Da MPB ao jazz: Fernando Mascarenhas lança Dizperto, seu primeiro álbum

Em Música por Luisa Pereira

Vítor Guima aposta na brasilidade com o sensível e linear “Canções Para Beatriz”

Em Música por Luisa Pereira

Em uma montanha-russa de emoções, Olivia Rodrigo atravessa desilusões em Sour

Em Música por Luisa Pereira

Davi Cartaxo lança singles e sinaliza aspectos do primeiro álbum

Em Entrevistas por Luisa Pereira

A pluralidade dos talentos de Darren Criss

Em Música por Gabriela de Oliveira