Vítor Guima aposta na brasilidade com o sensível e linear “Canções Para Beatriz”

O talento com as palavras é parte da arte de Vítor Guima. Desde o seu primeiro trabalho, O Estrangeiro (2019), o artista tem sido apontado como uma das revelações mais promissoras da MPB. O material soma mais de 270 mil plays no Spotify e seus videoclipes no YouTube ultrapassam meio milhão de views. É neste cenário que o cantor e compositor traz ao mundo o seu segundo álbum, Canções Para Beatriz, lançado nesta sexta-feira (7) pelo selo Baila Records, liderado pela também cantora Clara Valverde.

Gravado durante a pandemia em home studios, Canções Para Beatriz transita entre a bossa nova, o folk e o rock. Mesmo com a mescla de estilos, o disco não perde o toque de brasilidade que carrega consigo. Mais que a diversidade sonora presente no material, o compositor apresenta na dose certa sua outra faceta: o dom com as palavras. Condensado em nove faixas, o disco conta a história de um breve relacionamento, do início avassalador aos aprendizados com o seu término.

A capa minimalista foi feita pela artista alemã Iris Schomaker que, ao invés de pedir um pagamento para que sua obra fosse utilizada na capa do álbum, pediu que o valor fosse doado. Voluntário da APAE-Araras há mais de 15 anos, Guima destinou 30% dos custos que o álbum teria com estúdio para a instituição. “Foi um posicionamento absolutamente generoso por parte da pintora, uma atitude incrível dela”, comenta o cantor.

O começo, meio, fim e créditos finais de Vítor Guima

O ponto de partida de Canções Para Beatriz é Ti, marcada pelo folk e violão e consolidando o início da relação, o momento de encontro entre os personagens. A faixa funciona como uma introdução acústica para o restante do disco. “Sinto que deixei tudo para não ter mais ninguém além de ti”.

A história segue com As Horas, com uma pegada samba rock, os trompetes de Paulinho Viveiro dão charme à composição, onde o eu lírico se vê ansioso para o encontro com a amada. A mesma sonoridade pode ser notada em Beatriz, faixa seguinte, agora com destaque para a guitarra de Diego Figueiredo. Neste momento, o ouvinte é apresentado à musa do álbum e à relação intensa e instável que o casal mantinha. A canção nasceu de uma parceria de Guima com o poeta Paulo César Carvalho, sendo a única composição em conjunto do projeto.

Abraços partidos conta as idas e vindas da relação que, apesar da intensidade, não consegue se firmar. Com a introdução mais marcante, a sonoridade embala a narrativa com os saxofones de Hugo Hori e Márcio Meliscki e do piano digital de Erik Escobar. “Abraços partidos, um gole de escuridão, contando garrafas e aviões. Beijos proibidos de se juntar pelo ar feito aço na imensidão, enquanto o tempo vai guiando meus passos sem direção”.

Em seguida, Guima segue na mesma etapa do relacionamento em Até depois. No entanto, a faixa conta com uma estrutura narrativa mais bela e traz mais detalhes da relação.“Enquanto os pêndulos erravam previsões, o medo sempre escrevia as minhas cartas e pelos olhos eu dizia: até depois”. 

Em tom melancólico, O fim marca o término do namoro com um som fúnebre dos violinos de Aramís Rocha e Robson Rocha, que trazem um tom único para o álbum e marcam a ruptura entre as demais sonoridades apresentadas. “O verso acaba, sorriso desaba e o que sobra são as imagens do último jantar, do último olhar. Deitar, dormir, sentir você no seu último segundo perto de mim”.

O tom dado pela canção logo é deixado para trás em O Passeio do Sol. Com uma sonoridade mais alegre, beirando o samba raiz, a canção marca a tentativa de superação do eu-lírico. “Me reinventar, mesmo que já não encontre o sol em nenhum lugar”.

A reprise de Ti funciona quase como um interlúdio curto e como uma mudança de ares na história que, depois de ser encerrada, é superada em Eu Tentava Tanto, uma mescla de indie e folk somados a beats flertando com elementos do pop.

Em nove faixas Guima consegue condensar o melhor de suas influências e usar com equilíbrio a diversidade de elementos sonoros, além de um fluxo narrativo cativante. 

Canções Para Beatriz contou com o trabalho dos músicos: Diego Figueiredo, na guitarra; Erik Escobar, no piano digital; Maestro Tiquinho, no trombone & arranjo para naipe de metais; Paulinho Viveiro, no trompete; Hugo Hori e Márcio Meliscki, nos saxofones; Maguinho Alcântara, na bateria; Ronaldo de Oliveira, no arranjo para quarteto de cordas; Aramís Rocha e Robson Rocha, nos violinos; Deni Feijó, no violoncelo; Daniel Silva, na viola; além de Eduardo Kusdra, na produção e arranjo.

Ouça:

Sobre o autor

Luisa Pereira

Jornalista, escritora, editora-chefe e criadora do Lindie. Apaixonada por palavras, sempre estive acompanhada de um bloquinho de anotações. Espero um dia conseguir tocar as pessoas do mesmo modo que a Agatha Christie e o Tom Fletcher fazem com suas obras.

Logo do Twitter
Logo do Instagram

Comentários

Você também pode gostar

Mcfly lança “Tonight Is The Night”, novo single de "Young Dumb Thrills"

Em Música por Luisa Pereira

A estreia autoral de Mariana Froes com "Nebulosa"

Em Música por Luisa Pereira

Luca Libre e o grito social da música com “Help I Slave”

Em Música por Luisa Pereira

O centenário de Hercule Poirot e a estreia policial de Agatha Christie

Em Literatura por Luisa Pereira

Cefa mostra seu lado visceral e destrincha as faces do “Caos”

Em Música por Luisa Pereira

Agatha Christie traz o frescor do verão em Um Mistério no Caribe

Em Literatura por Luisa Pereira

Agatha Christie: 3 livros para conhecer a escrita da autora

Em Colunas por Luisa Pereira

Ruel, a jovem estrela em ascensão

Em Música por Luisa Pereira

Submerso engata série de lançamentos e planeja futuro

Em Entrevistas por Luisa Pereira

Com influências do rock oitentista, Miley Cyrus apresenta nova faceta em “Plastic Hearts”

Em Música por Luisa Pereira

A experiência e sensibilidade de Gaê em “Só - A Dois”

Em Entrevistas por Luisa Pereira

Dupla Anavitória traz “Cor” com apostas variadas, mas sem sair do conforto

Em Música por Luisa Pereira

Com canções mais maduras, Zayn lança “Nobody Is Listening”, seu terceiro álbum

Em Música por Gabriela de Oliveira

Julie Neff se desprende da raiva e frustração em Over It

Em Música por Luisa Pereira

Reforme se prepara para entrar de vez na cena nacional e planeja série de lançamentos em 2021

Em Entrevistas por Luisa Pereira

O Elevador lança Nada para num Instante: “mais maduro tecnicamente”

Em Entrevistas por Luisa Pereira

Com muita nostalgia, Taylor Swift lança a regravação do álbum “Fearless”

Em Música por Fátima Robustelli

Rafael Martins estreia projeto solo com Barco no Seu Mar

Em Entrevistas por Luisa Pereira

Da MPB ao jazz: Fernando Mascarenhas lança Dizperto, seu primeiro álbum

Em Música por Luisa Pereira

Em uma montanha-russa de emoções, Olivia Rodrigo atravessa desilusões em Sour

Em Música por Luisa Pereira